Páginas

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

POESIA EM SANGUE E MERCÚRIO

A dor desse profuso instante é sólida
Na exaustão do fôlego almejo labaredas em teu olhar
O que fere modifica a trajetória
Corte raso de concreto a rasgar o abstrato
Há uma ausência presente nesse sentimento
De que os tempos mórbidos cessaram a era onírica
As rosas do amor murcharam
Serei eterno nesse momento efêmero de fumaça
Talvez cinzas do teu ósculo doce
Tenho no peito um escravo
Forte quando sou fraco. Fraco quando sou forte
O amor é a poesia que calou o coração.

Pablio Motta

2 comentários: